Tecnologia

69% das empresas delega gestão dos dados a fornecedores de serviços cloud

69% das empresas delega gestão dos dados a fornecedores de serviços cloud

Um estudo recentemente publicado pela Veritas Technologies revela que 69% das empresas delega toda a responsabilidade da gestão e proteção de dados, privacidade e conformidade com as normas a fornecedores de serviços cloud.

O estudo ‘The Truth in Cloud’, divulgado pela CESCE SI, indica ainda que, nos próximos dois anos, as empresas pretendem investir na cloud quase um quinto dos seus orçamentos globais para as TI e que cerca de 70% utilizam ou tencionam utilizar dois ou mais fornecedores de serviços na cloud.

Os resultados destacam ainda que as empresas estão a adotar o multi-cloud como componente essencial nas suas estratégias de negócio, com alguns clientes a revelar estar a utilizar uma variedade de fornecedores de serviços na cloud, incluindo clouds públicas e clouds privadas alojadas.

Mike Palmer, vice-presidente executivo e CPO da Veritas, explica que “não obstante os clientes pensarem que os fornecedores de serviços de cloud têm a responsabilidade pela gestão dos dados, os contratos dos fornecedores de serviços de cloud normalmente delegam a responsabilidade pela gestão dos dados aos clientes. O nosso estudo veio confirmar a nossa suposição de que a principal responsabilidade pela gestão dos dados cabe ao cliente.”

O estudo mostra ainda que, em média, as empresas estão a utilizar ou tencionam utilizar múltiplas plataformas na cloud, desde clouds públicas a clouds privadas alojadas, contudo, continuam a enfrentar algumas barreiras, nomeadamente complexidade na migração para a cloud (37%), limitações tecnológicas (36%), falta de conhecimentos dentro da empresa (38%), falta de estratégia clara (32%) e silos de dados (27%).

“Dado que cada vez mais empresas adotam uma mentalidade de considerar a cloud prioritária, a necessidade de navegar no complexo mundo multi-cloud é premente. Tal como em ambientes locais, ao migrarem para a cloud, os clientes devem considerar todos os aspetos da gestão de dados, desde a proteção de dados, a conformidade com as normas e a portabilidade da carga de trabalho, à continuidade do negócio e otimização do armazenamento”, conclui Mike Palmer.