Recursos Humanos

Coaching pode ser essencial para trabalhadores remotos

Coaching pode ser essencial para trabalhadores remotos

A força de trabalho em regime de freelance e os trabalhadores remotos continuam a crescer. De acordo com um estudo da People Per Hour, em 2020, uma em cada duas pessoas já deverão trabalhar desta forma. Mas apesar de esta ser uma forma de trabalho cada vez mais desejada, a Universidade de Harvard acredita que não é para todos, podendo em alguns casos exigir até o acompanhamento de um coach.

Citado pela Revista do Call Center, Daniel Lustig, fundador da Mind Factory, sublinha que “antes de partir para o trabalho a partir de casa, é necessária uma autoavaliação de pontos como a capacidade de executar tarefas sem a ajuda de um chefe ou supervisor e questionar-se se está preparado para assumir a liberdade de escolher onde e como vai se organizar e realizar as suas atividades”.

De acordo com Daniel Lusting, o Coaching pode ser uma ajuda porque trabalha questões como a disciplina, a concentração e a independência. Para além disso, sublinha que ter trabalhadores remotos pode ser benéfico para as empresas.

“As vantagens para a empresa são excelentes. Um colaborador mais produtivo e mais feliz faz com que as atividades sejam cumpridas mais facilmente e entregues no prazo. Além disso, há uma economia significativa para a empresa, uma vez que gasta menos com papel, tinta, luz, entre outros. E se a preocupação for os dados da empresa, basta que ela estenda a sua rede e ajude o seu colaborador com a proteção por password, uso de dados na nuvem, criptografias e outras formas de segurança da informação”, acrescenta.