Tecnologia

Orçamentos em TI nas empresas europeias deverão aumentar 76% este ano

Orçamentos em TI nas empresas europeias deverão aumentar 76% este ano

Os orçamentos em TI deverão aumentar cerca de 76% nas organizações europeias ainda este ano, um crescimento que está diretamente relacionado com o número de trabalhadores remotos das organizações. A conclusão é da Toshiba, que revela que a grande maioria das empresas irá investir em novas tecnologias.

O estudo inquiriu cerca de 1000 decisores de negócio seniores de TI de grandes e médias empresas e mostra que as prioridades deste investimento estão focadas na segurança de dados (62%), em soluções cloud (58%) e melhoria de produtividade (54%).

Importa ainda referir que, segundo o estudo, o setor de transporte e logística é o que mais vai reforçar o seu investimento em TI (69%), enquanto as organizações da administração pública são os que menos irão reforçar (52%).

A Toshiba diz ainda que, de acordo com os dados obtidos no estudo, “as empresas em Portugal continuam desalinhadas com as tendências europeias de crescimento dos orçamentos de TI, mesmo que no geral signifique um crescimento médio de 4% ao ano até 2020.”

Flexibilidade no trabalho impulsiona investimento

O estudo da Toshiba diz também que a possibilidade de oferecer aos trabalhadores flexibilidade no trabalho continua a ser uma forte preocupação das organizações europeias. 68% dos inquiridos afirma que tem cerca de um décimo da força de trabalho a trabalhar principalmente em viagem ou sem um local fixo.

Este aumento da força de trabalho flexível é um driver de suporte das três principais prioridades de investimento que são segurança de dados, soluções cloud e melhoria de produtividade. Quando questionados sobre as prioridades para melhorar a produtividade das equipas de trabalho móveis, quase metade (47%) dos inquiridos indicou que mais e melhor formação para os colaboradores é fundamental e crítico, com 43% das respostas a afirmar que a adoção de ferramentas digitais inovadoras são a sua prioridade.

Para além disso, 61% dos inquiridos indica que disponibiliza laptops para a sua força de trabalho móvel e 55% disponibiliza smartphones com soluções empresariais. No entanto, quando questionados sobre quais os equipamentos que mais serão utilizados nos próximos três anos, os smartphones estão equiparados com os laptops (38%) e as empresas mostram querer apostar em novas tecnologias como dispositivos de mobile edge computing (10%) e soluções thin/zero client (9%). No caso das grandes empresas, as respostas mostram vontade de adotar a utilização de wearables no local de trabalho, com 24% a prever que as soluções de smart glasses irão começar a ser implementadas nos próximos 12 meses.