Recursos Humanos

Academias corporativas ao serviço da cultura, negócio, estratégia e competências

Academias corporativas ao serviço da cultura, negócio, estratégia e competências

As academias corporativas são o formato adotado por um crescente número de empresas no que toca ao desenvolvimento de competências dos colaboradores. São várias as razões que motivam a adoção deste tipo de solução. Desde logo, porque neste formato é suposto “respirar” permanentemente a cultura da organização e a aprendizagem incorpora naturalmente a cultura corporativa, o que tem vantagens.

“Respirar” permanentemente a cultura da organização

Entre outras, há 3 premissas fundamentais para alicerçar uma academia corporativa:

1) Tem uma matriz de aprendizagem colaborativa

2) É um elemento agregador

3) Está alinhada com a cultura organizacional, com o negócio, com a estratégia e com as competências que se querem potenciar nas equipas e nos colaboradores

É uma verdade que é o desenvolvimento de competências dos colaboradores que permite alavancar o negócio, só assim garantindo a notoriedade da marca e a qualidade daquilo que a empresa entrega ao mercado. Por esta razão, manter dentro da organização a gestão efetiva e eficiente das formações internas e externas, é bem acolhido pelos departamentos de recursos humanos que, no entanto, necessitam de estar munidos dos recursos adequados para o fazer com sucesso. Quer em termos de conhecimento, meios técnicos e humanos.

A construção e gestão de uma academia corporativa, vai muito para além da operacionalização de percursos formativos

A construção e gestão de uma academia corporativa, vai muito para além da operacionalização de percursos formativos, implica competências pedagógicas e adequação de conteúdos ao público-alvo e objetivos definidos. É preciso identificar as metodologias mais adequadas, os formatos mais eficazes e respeitar a singularidade e ritmos de aprendizagem. O sucesso só surge, quando todos estes elementos estão alinhados.

Construir um modelo integrador de colaboração e co-criaçãoentre a empresa e o parceiro externo

É precisamente aqui que é ponderada a procura de um parceiro externo, com conhecimento e experiência robustos e que apoie a empresa a construir a sua própria academia corporativa, nunca pode ser “um salto no escuro”. É fundamental construir um modelo integrador de colaboração e co-criação, entre a empresa e o parceiro externo, assente numa relação de confiança e em que a comunicação e o feedback são uma constante e a partir daí embarcar numa viagem que conduz a bom porto.

Business Case Abilways

Construção de uma academia corporativa – Cliente Non Basta

Saiba mais
Academias

Artigo publicado em parceria com o blog RH Bizz.