Empresas europeias apostam nas tecnologias de comunicação para sobreviver à recessão

Empresas europeias apostam nas tecnologias de comunicação para sobreviver à recessão

Uma investigação publicada pela Avaya mostra que o nível e qualidade da comunicação no seio das empresas europeias e entre os seus clientes, parceiros e fornecedores, piorou significativamente durante a retracção económica global.

70% das empresas que foram afectadas pela crise confirmaram que pelo menos parte das suas comunicações tinha sido afectada de forma negativa, uma tendência que poderá influenciar ainda mais a economia europeia se não forem tomadas medidas.

Segundo o estudo da Avaya, a retracção nas comunicações é visível em todos os aspectos: 55% das empresas inquiridas revelam que as comunicações internas se deterioraram, 52% que as comunicações com os clientes foram afectadas e 41% que as comunicações com os fornecedores pioraram. 

Por outro lado, entre as empresas europeias que alegaram não ter sido afectadas pela retracção, apenas 29% registaram algum declínio nas suas capacidades de comunicação.

Pela positiva, a retracção económica aumentou a consciência de que é necessário incorporar os media sociais no mix de comunicações com o cliente. 

A sondagem da Avaya mostra que 55% dos gestores seniores da Europa estão a usar mais tecnologias como smartphones e instant messaging, além de redes sociais como o Facebook, o Twitter e o LinkedIn, do que há 18 meses. 

Curiosamente, estes gestores também parecem ter adoptado estes novos meios de comunicação mais depressa do que os funcionários mais novos (34%), que são normalmente vistos como pioneiros, conclui o estudo.